Estou percebendo coisas que antes nem passavam pela minha cabeça, e estou entendendo o mundo de uma maneira muito mais simples.

A primeira coisa é que eu não sou obrigada a estar com pessoas que não gostam das mesmas coisas que eu.

Chegou um momento na minha vida que todas as minhas amigas voltaram para os seus respectivos países, e eu fiquei aqui na Argentina com o meu marido e meus gatos, trabalhando em uma empresa que é até legal, mas que eu não gosto.

Então eu comecei a querer fazer parte de grupos e estar com pessoas que não me acrescentavam NADA, tipo NADA mesmo… são pessoas legais, mas a energia não flui como deveria fluir. E percebi que não é questão de idade, e sim de princípios e objetivos. Por exemplo, HOJE eu evito pessoas que não gostam de animais… porque convenhamos que quem quer o mal dos animais, boa pessoa não é, certo? Pois bem, EVITO discutir, então prefiro me afastar.

Outro exemplo são as pessoas fofoqueiras MALVADAS, tipo tudo bem que você fofoque com outras pessoas, mas não que você fale MAL do tipo… “Ahh a Ana não faz nada no trabalho, eu vejo o computador dela e sempre tá nas redes sociais”, ok… agora a minha pergunta é, O QUE ESSA PESSOA TEM QUE SE METER NO QUE EU FAÇO OU DEIXO DE FAZER? E sabe o pior? É que essa pessoa vai contar em um grupo dela com outras pessoas do trabalho. Enfim, não suporto gente assim, vai contra os meus princípios!

Segundo: percebi que o planeta realmente precisa da nossa ajuda!

Ou melhor, nós precisamos do planeta, não ele da gente… por isso é que eu comecei a me preocupar com o meio ambiente, com os animais, com o consumismo e outros mil assuntos relacionados a isso. E foi por isso que eu estou criando o instagram MENOS ES MÁS, que está em espanhol e vai falar sobre justamente isso, menos lixo, menos maldade, menos plástico, menos desperdício de comida, mais amor, mais bondade, mais sustentabilidade, e etc.

O que eu aprendi nesses 6 meses de 2018

Terceiro: percebi que HOJE eu estou trabalhando para uma empresa que só pensa em lucrar, que não ajuda NINGUÉM e que realmente não acrescenta nada para a sociedade.

Isso faz sentido? Para mim não, e foi aí que surgiu a minha vontade de trabalhar em uma ONG, de ajudar, de sentir que faço parte de algo que pode MUDAR a vida de alguém, do meio ambiente, de um animalzinho… enfim, alguma ONG que me de a oportunidade de CRESCER e ajudar, porque eu tenho certeza que essa é a minha missão na terra, AJUDAR!

Quarto: percebi que ser materialista é um ERRO HUMANO, é um jogo de marketing para comprar, comprar e comprar!

Para que comprar tanta roupa? Não vejo mais sentido nisso, e ao perceber isso, resolvi fazer uma limpa na minha casa, nas minhas roupas e em tudo o que eu tinha que já não fazia sentido ou que eu já não queria ou usava mais, e sabe o que aconteceu? Eu fiquei mais FELIZ, mais calma e mais ORGANIZADA. Juro! Ainda preciso praticar mais…porém eu acredito que seja um passo de cada vez, sem pressa! Meu objetivo é ENTENDER o porquê de estar fazendo tudo isso.

Mas de uma coisa eu tenho certeza, se eu morrer amanhã… serei uma alma totalmente desapegada dos bens materiais.

Quinto: aprendi que precisamos VIVER O PRESENTE!

Isso ainda é dificil para mim, confesso… mas estou praticando pouco a pouco. Por exemplo, eu estou em uma fase que eu não sei o que quero fazer da minha vida, onde eu quero morar. Mas antes eu estava em crises em tal ponto que eu não entendia porque não tinha dinheiro suficiente, porque não viajava tanto, porque não tinha um apartamento, um carro, uma vida totalmente estabilizada, e percebi que eu tenho apenas 26 anos e que tudo isso é pressão social.

Sexto: entendi que o que realmente importa são os momentos.

Antes quando eu comecei com o meu marido, ele me falou que eu era insuportável e que ficava o tempo todo com o celular na mão, que me preocupava com o que os outros pensavam de mim e que eu tirava foto de tudo sem aproveitar nada do que eu estava vivendo naquele momento. Hoje eu não curto tanto as redes sociais, eu não sou de tirar fotos e tento aproveitar o máximo possível os momentos que vivo. E acho que isso poderia ser considerado um SACRIFÍCIO nos dias de hoje. Então fico feliz por eu ter entendido isso, e minha intenção não é ser famosa nem nada do tipo, é simplesmente compartilhar minhas experiências e ajudar a quem eu puder. Dá para entender a diferença?

Enfim, posso estar aqui escrevendo mil coisas que estou aprendendo e que pretendo aprender nesse ano, mas eu só queria compartilhar algumas dessas mil coisas e dizer que não se sinta pressionado por nada e nem por ninguém, que aproveite todos os momentos no MOMENTO e não depois por fotos nas redes sociais. VIVA O AGORA, esse é o nosso maior desafio… deixar o passado no passado, viver o agora e não depender do futuro… porque amanhã não sabemos se estamos vivos.

E você o que está aprendendo?

Dejar un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *